EDITORIAS

ASSINE

ANUNCIE


Arte em arame

Clarice Graupe Daronco

Ao ouvir a palavra arte, algumas pessoas pensam imediatamente em museus e pinturas. Já outras consideram que se trata simplesmente de um tema que não tem nada a ver com eles, que é muito difícil de entender e é algo exclusivo de artistas ou intelectuais. Na verdade, a arte está para todos que querem experimentá-la e geralmente é encontrada em mais lugares do que podemos imaginar.

Em Indaial, quem passou pelo Casa do Professor teve a oportunidade de conhecer um tipo de arte bem específica. Estava sendo realizada a exposição de árvores produzidas com fios de arame pelo artista Reginaldo Alexandre Rinco, que faz parte do grupo de artesanato da Fundação Indaialense de Cultura (FIC). Suas esculturas mostram árvores que sempre o encantavam enquanto passeava pela cidade e que desenhava no papel para depois transformá-las em esculturas de arame.

Em entrevista à redação do JMV, Reginaldo Alexandre Rinco, conta que é filho de Inês Welinski Rinco (in memória) e Solano Rinco, casado com Bianca Regina Tarnowski Rinco, com quem tem dois filhos, Samuel Henrique Rinco e Yasmin Regina Rinco.

Rinco relata que começou a trabalhar muito cedo logo aos 12 anos de idade numa casa agropecuária. "Sempre amei muito os animais e com 13 anos comecei a trabalhar numa clínica veterinária como auxiliar de medicina veterinária e tosador. Em 2010, já com 30 anos, construí meu próprio banho e tosa, onde atuo até hoje. Sou formado em Ciências Biológicas".

O artista comenta que sempre se dedicou a estética canina aprendendo com vários tosadores do Brasil, fazendo intercâmbios para aprimorar as tosas. "Hoje, tenho meu próprio pet shop e estou nesse trabalho há mais de 28 anos".



Sobre o seu lado artístico, Rinco relata que no começo de 2018 durante uma consulta médica descobriu que estava com câncer. "Logo comecei a fazer o tratamento com a radioterapia e a quimioterapia. Passando a fazer o tratamento com muito apoio da minha família, parentes, amigos e médicos em geral. Em meio ao meu tratamento de câncer, minha esposa Bianca me incentivou a fazer parte do grupo de artesanato da FIC, junto com nossa amiga e professora Salete da Veiga. Assim quando eu fazia as quimioterapias em casa realizava os trabalhos para me distrair um pouco".

Rinco observa que aos poucos começou a fazer os trabalhos do artesanato, fazendo trabalhos com sisal (bandejas, bonecos, e outras decorações). "Apreendi a trabalhar com fios fazendo pequenos projetos e em menos de um ano evoluí a técnica e passei a realizar projetos maiores sendo cada vez mais gratificante e encantador".



Segundo Rinco, em passeios pelos interiores da cidade, as árvores sempre lhe encantavam, então as esboçava no papel e dava forma através dos fios metálicos, chegando assim na sua primeira exposição individual "O Mundo das Árvores: Arte em Arame". "Sempre gostei muito de artes, nos tempos livres sempre planejando e construindo algo. Gostaria de ser um incentivo para todas essas pessoas que lutam ou lutaram contra essa doença, que apesar dela ser cansativa, não percam sua fé e esperança. Eu posso dizer que sou um exemplo disso, acredite que você é capaz. Hoje posso dizer que estou feliz pela coisa mais simples da vida do amor e da fé que minha família retribuiu para mim e na realização das árvores de arame".


Imagens


jmv_transparente.png
Editora Jornal do Médio Vale
R. Caçador, 406, Bairro das Nações, Timbó - SC,
89120-000 | Telefone (47) 3382-1855
Sobre o Jornal | Expediente | Assine | Anuncie
icon_facebook.png
icon_youtube.png