EDITORIAS

ASSINE

ANUNCIE

Carta para recordar e reforçar o aprendizado

Professora de Unidade de Educação Infantil manda mensagem especial para os seus alunos

Clarice Graupe Daronco / JMV
Foto: DIVULGAÇÃO
Bernardo Lana fica emocionado com a carta que recebeu da professora

INDAIAL - Com o objetivo de ajudar os pais, neste momento de pandemia, onde os mesmos precisam estar no lugar dos professores para desenvolver as tarefas com as crianças, a professora da Unidade de Educação Infantil Espaço de Crescer, Deize Alexandra Bastos resolveu escreveu uma carta para os seus 24 alunos da turma de quatro anos.

Em entrevista a professora observa que apesar da pandemia, os alunos estão tendo um ano letivo, mesmo sendo diferente, mas os pais precisam ajudar seus filhos a cumprir a jornada de atividades que os professores repassam. "Não podemos esquecer que é um ano diferente, mas que é preciso fazer as atividades e essas dependem do apoio e ajuda dos pais, pois a criança precisa aprender, de uma maneira ou de outra, por isso escrevi e envie uma carta, com o objetivo de reinventar as atividades e mostrar para os meus alunos e seus pais que a professora está presente e preocupada em fazer com que as atividades possam ser desenvolvidas".

Segundo Deize, devido à pandemia do novo Coronavírus (Covid-19) os professores tiveram que reinventar para dar as aulas a distância. "Em 28 anos de Magistério nunca pensei em ficar tanto tempo sem estar dentro de uma sala de aula com meus alunos, sinto falta do dia a dia com eles, da correria, das brincadeiras no parque, na floresta como eles mesmos falam, e sei que eles também sentem falta. Por este motivo enviei a eles uma carta recordando nosso pouco tempo juntos, e ao ver a carinha deles e a emoção resolvi contar para mostrar que, quando se ama o que se faz nem uma pandemia tira a coragem e a emoção de um professor se reinventar e fazer a educação progredir".

A professora explica que após ter enviado a carta recebeu muitas mensagens dos pais de seus alunos. Mensagem como essa da Franciele dos Santos, que é mãe de Bernardo Lana. "Deixo aqui registrado, meu carinho e admiração enorme por essa professora, que sempre lembra dos seus alunos, com muito amor. Ela nos enviou uma cartinha, que me deixou emocionada. O Bernardo, com a professora desse ano, pedia para ir à escolinha até aos sábados. Sempre falando dos amigos, sempre que chegava em sala, lá estava ela para dar um abraço, um beijo. E o mimo que ele ganhava por bom comportamento na agenda, isso me deixava feliz e ele mais ainda, por saber que obedeceu a professora e se comportou direitinho. Bernardo está morrendo de saudade, assim como ela de seus alunos, que tudo passe logo! Obrigada por tudo".

Outra mensagem regada de muito carinho foi enviada pela mãe da pequena Ester Boss: "Então o que dizer, professora Deize Alexandra Bastos, super querida, atenciosa, amável e adorada por todos. Assim foi a chegada da tão esperada carta com a Ester ansiosa em abrir e ver o que tinha lá dentro. Olhei na caixa do correio e a mesma ficou gritando é minha é minha. Disse calma vamos ver o que tem. Ela mesma rasgou o envelope e quando olhou o que havia dentro ficou pasma, emocionada em poder rever seus amiguinhos, começou a lembrar dos momentos na Unidade de Educação e começou a falar os nomes que se lembrava, e ao mesmo tempo ficou triste porque amava brincar com os amiguinhos. A saudade está tão grande que até fez vídeochamada com a professora onde expressou seus sentimentos".



A carta

Queridos alunos, estamos passando por um momento que jamais pensamos passar, mas tenho fé de que tudo isso vai passar. Quando? Ainda não sabemos, mas esperamos que seja logo.

Hoje a professora resolveu escrever para lembrar vocês de uma coisa muito importante: os poucos momentos que passamos juntos neste ano. Os primeiros dias foram de muita alegria, a carinha de vocês ao chegar na sala sempre sorridentes era a melhor maneira de começar o dia, vocês lembram?

A professora esperava vocês na porta com um beijo de bom dia? Eram os beijos mais gostosos que a professora precisava e ainda precisa.

As brincadeiras no parque? A professora junto com vocês no escorregador? Os meninos querendo sempre sair correndo, não deixando as meninas brincarem. Ah, e a floresta?

Como era bom brincar na floresta, na areia, e como ficávamos sujos, como caíamos nas brincadeiras? Como nos divertíamos, e o sacole de morango que fizemos? Foi uma delícia sermos cozinheiros por um tempo. E a hora do café, do almoço e da janta?

Tínhamos umas crianças que não queriam comer nada, ou só arroz seco, ou não queriam verduras, lembram? E nós fazíamos um acordo, a professora comia um pouco pra todos experimentarem e saber como a comida era boa? E a hora do sono? Em que a professora não era o suficiente na sala porque todos queriam estar pertinho da professora? Mas nos dávamos um jeito. O jeito do amor, um beijinho pra cada aluno e assim dormiam e a professora era de todos.

Quantas saudades desses momentos. Estes poucos momentos foram os melhores com vocês, mesmo nós não nos conhecendo o suficiente porque passamos um mês juntos só.

Ah, por que eu sei? Por que nessa turminha teria muitos alunos cientistas, contadores, engenheiros, bancários, mecânicos, costureiras, balconistas, boleiras, entre outras profissões, das quais nos brincávamos nas brincadeiras de faz de conta, e vocês sabem por quê? Por que nos espelhamos em nossos maiores exemplos, nossos pais. Eu sei que hoje, se vocês não estão comigo em tempo integral é porque vocês estão com eles e eles estão aprendendo cada vez mais com vocês, juntos nas atividades propostas para essa nossa nova maneira de aprender, vocês em casa e eu aqui em minha casa porque aqui aprendo sempre com vocês de qualquer maneira, perto ou longe.

Uma das coisas que eu posso dizer e deixar registrado para todos é que a professora Deize Bastos está tão triste quanto vocês, porque estar dentro de uma sala de aula com meus alunos é a melhor forma de realizar meus sonhos, a maneira de dizer o quanto eu me importo com um mundo melhor, uma maneira de ser feliz. Em tantos anos de profissão, nos quais me dediquei a ensinar, eu jamais pensaria em estar tanto tempo fora de uma sala de aula com meus alunos. Então, meus amores, quero dizer que estou morrendo de saudades de vocês e que vocês são minha alegria sempre. Com carinho, professora: Deize Alexandra Bastos.



jmv_transparente.png
Editora Jornal do Médio Vale
R. Caçador, 406, Bairro das Nações, Timbó - SC,
89120-000 | Telefone (47) 3382-1855
Sobre o Jornal | Expediente | Assine | Anuncie
icon_facebook.png
icon_youtube.png